Gerações x, Y, Z

O Marketing e as gerações X, Y e Z

Para o profissional de ‘marketing’, entender as características e o perfil  das gerações X, Y, Z, faz parte das estratégias de comunicação. Pessoas de diferentes gerações, percebem o mundo de forma distinta umas das outras.

Embora haja discordâncias entre as características das gerações X, Y, Z, é preciso acompanhar as mudanças de comportamento do consumidor e, assim, melhorar as estratégias de comunicação com o público.

Segundo dicionários, geração significa o conjunto de pessoas nascidas em uma mesma época em um espaço de tempo de, aproximadamente, 25 anos.

Porém, alguns estudiosos afirmam que esse período de 25 anos que separa as gerações, foi encurtado nos últimos 50 anos. Isso se deve, especialmente, ao avanço da tecnologia, ou seja, vivemos hoje em um mundo tão acelerado que tudo se transforma muito rapidamente.

Conhecer a divisão geracional ajuda a compreender melhor o consumidor no mercado de trabalho, assim como as inclinações de compras, por exemplo.

  1. A geração Baby Boomers

    São as pessoas nascidas entre os anos de 1940 a 1964. Nasceram no fim ou logo após a Segunda Guerra Mundial e foram educadas com muita disciplina e rigor. Essa geração Boomers, hoje já praticamente aposentada, é formada por pessoas muito idealistas que ocupavam cargos de liderança. Elas valorizavam o trabalho sólido, a estabilidade e, na maioria das vezes, permaneciam em uma mesma empresa até completarem seu ciclo empregatício.
    Geralmente estas pessoas planejavam a vida nos mínimos detalhes, respeitavam a hierarquia e davam muito valor ao casamento, ao carro e conquistar a casa própria era muito importante.
    Assim sendo, concluímos que os Boomers não têm por hábito realizar compras pela internet. São conservadores e preferem a segurança do “presencial”.

  2. Geração X

    Pertencem às pessoas nascidas entre 1960 e 1980, elas presenciaram fatos históricos importantes sendo marcadas por fases ideológicas, como o movimento hippie, por exemplo.
    Viram surgir o computador pessoal, a internet, o celular, o email, etc.
    São pessoas materialistas e prezam pela estabilidade financeira através do bom emprego. São auto didatas, muito dedicadas e comprometidas com o que fazem. Exaltam o conhecimento, as competências e são meritocráticas. Valorizam muito o “ter” e, para isso, trabalham excessivamente para conquistar o melhor carro, a casa de praia, o uísque no final do dia, ou seja, ostentam através do consumo. Também prezam pela liberdade e conseguem um equilíbrio entre a vida profissional e pessoal.
    Enxergam o empreendedorismo com certa ponderação.
    São pessoas cheias de sonhos, porém, muito instáveis emocionalmente. Os “X” estão sempre a procura de um significado para suas vidas e, assim, tentam romper com os ideais e paradigmas das gerações anteriores.

  3. Geração Y:

    São os nascidos entre 1980 a 1995. Cresceram na virada do milênio, por isso são conhecidos também por Millenials. Diferentes das demais gerações, os millennials acompanham a evolução tecnológica e enxergam o trabalho como fonte de aprendizado.
    Pertencem ao mundo pré internet, e por terem sido alfabetizadas analogicamente, essa geração ficou “perdida” sobre como encarar o mercado de trabalho. Por essa razão, muitas vezes ficam “sem rumo” e buscam novos aprendizados com receio de serem substituídos nos seus empregos, por exemplo.
    São apoiadores de causas sociais e bastante comprometidos.
    Impulsivos, odeiam a rotina e são multitarefas, por isso adoram desafios e são muito competitivos.
    No mercado corporativo eles são muito criativos, estão sempre atentos, mas preferem receber instruções de como devem ser conduzidos. Valorizam a comunicação aberta, honesta e harmônica.
    Os millenials são a maioria da população e, consequentemente, no mercado de trabalho. Eles são os principais consumidores da atualidade.

  4. Geração Z

    Nascidas a partir de 1995, são totalmente integrados digitalmente, pois, foram alfabetizados no cenário digital.
    Gostam do trabalho em grupo, valorizam o diálogo (online de preferência) são bastante afetivos, proativos, práticos, autodidatas e muito descolados. No entanto, são seletivos no que diz respeito a escolha dos amigos que dividem os mesmos gostos e estilo de vida.
    Vivenciando a pandemia dos últimos anos, essa geração aproveita o momento para desenvolver conteúdos digitais e superar os desafios do homeoffice.
    Bastante críticos, porém, muito adaptáveis. São jovens que prezam pela liberdade e flexibilidade. São empreendedoras e querem construir seu negócio próprio, porém, se precisarem buscar um emprego formal como meio para atingir seus objetivos, o fazem de maneira muito tranquila.
    Não se prendem a rótulos ou opiniões rígidas, respeitam a individualidade e as diferenças.
    Os “Zs” são inovadores e isso, às vezes, pode gerar conflitos com as gerações anteriores acostumadas ao tradicional.

As características da geração Alpha:

Segundo estudiosos, os Alphas ainda estão sendo analisados, mas percebemos que essa geração tem um senso de independência um pouco maior. São jovens curiosos e lidam com a tecnologia muito facilmente e resolvem problemas usando a intuição para novas descobertas.

Por outro lado, como vivenciam vários estímulos em simultâneo, as crianças podem apresentar dificuldade de concentração, o que atrapalha a aprendizagem. São ansiosas, intolerantes e não lidam bem com as frustrações.

Assim como todas as outras gerações, possuem suas dificuldades e suas relevâncias.

Colocamos nesse artigo uma pequena parte sobre as características geracionais, mas para se conhecer profundamente as gerações, é preciso muito estudo e avaliações de cada uma delas.

Dica: dois livros para entender melhor as gerações X, Y, Z.

Geração Z – Simone Emmanuel

Zconomy: Como a geração Z vai mudar o futuro dos negócios – e o que fazer diante disso

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.